REGISTROS FOTOGRÁFICOS

.

.
.

23 de jan de 2017

Moradores de Olinda assustados com a violência nas prévias de Carnaval

Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem




Com a aproximação do Carnaval e as prévias levando cada vez mais gente às ladeiras do Sítio Histórico de Olinda, muitos moradores da localidade compartilham a mesma preocupação a cada fim de semana: o medo da violência. Na tarde deste domingo (22), foram muitos os relatos de moradores apreensivos com assaltos, brigas e arrastões.
 Um desses moradores é Cláudio Francisco Nigro, de 82 anos, que mora em uma casa na Ladeira da Misericórdia desde que nasceu. Às 16h e sentado em frente à sua casa para ver os blocos e as troças que passavam, o idoso já fazia planos de se recolher antes das 18h. "É a hora que começam as brigas. As gangues se enfrentam, garrafa voa para todos os lados e depois acontece arrastão", relatou Cláudio.

Uma vizinha de Cláudio que não quis se identificar justamente por medo da violência, disse que esses episódios de brigas e arrastões começam desde o início de janeiro, quando as prévias do Carnaval se intensificam. A moradora contou ainda que, em dezembro, colocou grades nas portas de sua casa para se sentir mais segura: "Ninguém sabe se, no meio de uma confusão dessas, vai entrar alguém na sua casa para fugir de uma briga".

O morador Alexandre Albertim, de 55 anos e morando há 40 em Olinda, alega que esse clima de insegurança é comum entre os moradores mesmo na época em que não há prévias. Alexandre relata também que, nas noites das prévias, é comum acontecer "guerra de garrafas": "As gangues se juntam e eles jogam garrafas uns nos outros. Outros bandidos infiltrados no meio aproveitam o momento de correria para fazer arrastões".

Presença da PM

Enquanto a reportagem esteve em Olinda, a segurança feita pela Polícia Militar e pela Guarda Civil Municipal foi muito presente na área da Praça do Carmo e proximidades, local onde costumeiramente muita gente se reúne nas prévias de Carnaval. Nas ladeiras, no entanto, apenas algumas equipes da PM passaram a pé pelo local.

Para os moradores, a segurança é insuficiente. "A polícia chega, coloca eles no muro para fazer a revista e depois libera. Na semana seguinte acontece a mesma coisa", reclamou o Sr. Cláudio Francisco.

A assessoria de imprensa da Polícia Militar de Pernambuco informou à reportagem do JC que, no período de prévias, a segurança feita no Sítio Histórico de Olinda conta com um efetivo de 80 policiais a pé, número comparável com o efetivo que está nas ruas durante o Carnaval. Além disso, a segurança no local conta com o reforço de equipes do Cavalaria, Rádio Patrulha, Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTRAN) e policiais em motos.

Fonte: JC Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário